Corrupção no Brasil – Ativa Passiva

Como é cada vez mais visto na mídia e por organizações internacionais, a corrupção funciona como um grande entrave ao crescimento e desenvolvimento. A corrupção no Brasil, possivelmente surgiu por causa de conflitos de lealdade, ou seja, a lealdade ao Estado-nação, de um lado e lealdade para com o chefe da família, comunidade, nação, classe ou político sobre o outro.Umlegado que vem desde o período colonial nos anos 1500, quando a lealdade ao chefe era fundamental e tornou-se aceitável desfrutar de lucro pessoal enquanto se era leal ao seu chefe.

Outro fator que pode ter sido fundamental na formação de atitudes do público à corrupção é o período da escravidão no Brasil. Isso levou à aceitação de uma classe, a elite superior que estava de alguma forma acima da lei. Os escravos não tinham meios, nem apego moral de respeitar a lei, mas não tinham também a posição social para cumpri-la. O que leva a crer que no Brasil de hoje a classe alta é de alguma maneira considerada isenta de seguir a lei.

No crime de corrupção política, os criminosos utilizam posições de poder estabelecidas no poder para realizar atos ilegais contra a sociedade como um todo. A corrupção ocorre não só através de crimes de suborno e do nepotismo. O ato de um político se beneficiar de fundos públicos de uma maneira outra que a não prescrita em lei também é corrupção.

O precisamos entender, é que a corrupção não é um problema brasileiro, mas sim mundial. O que acontece é que aqui no Brasil, os corruptos não são devidamente punidos, para que sirva de exemplo aos outros.

O que vem colaborando com a lei é a tecnologia aliada a capacidade humana de investigar e solucionar estes crimes. Onde a polícia agora, consegue com eficiência aplicar estrtégias de inteligência reunirprovas de forma meticulosa. Todos esses fatos vem ajudando na punição proporcional ao crime praticado. As cassações de mandatos também tem ajudadoa diminuir casos de corrupção. E quem sabe, daqui há alguns anos, possamos estar livres desse mal.

 

 

 





Autora da matéria :

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *